Clube FII News News

Notícias para o investidor de fundos imobiliários

Conheça o Clube FII

Conheça o Clube FII

beta
Todo Clube tem sócios! Você também pode se tornar um!
Após rodada de negócios com o Grupo Solum que atraiu investidores-anjo de peso, o Clube FII também abre oportunidade para você participar.
Saiba tudo sobre a oferta, como investir, ser nosso sócio e fazer parte deste enorme potencial de crescimento!

Agora você também pode ser sócio do Clube FII!
Mercado

Quem pediu esta assembleia?

Mistério em torno da identidade de cotistas representativos que pedem votação para temas cruciais de Fundos Imobiliários pode estar com os dias contados após o xerife CVM entrar na história

Por Luciene Miranda
quinta-feira, 28 de julho de 2022 Atualizado 3 semanas atrás

Dois pedidos de assembleia geral extraordinária por parte de cotistas representativos – sem nomes revelados - com mais de 5% de cotas para decidir sobre a troca de gestão do Fundo Imobiliário Banestes Recebíveis Imobiliários (BCRI11) chamaram a atenção da Comissão de Valores Mobiliários, o órgão regulador do mercado financeiro.

 

Ambos apresentaram a mesma pauta: a substituição da gestão do fundo atualmente com o Banco do Estado do Espírito Santo (Banestes) pela Suno Asset.

 

Quem pediu esta assembleia?

 

Nos dois casos, os cotistas misteriosos voltaram atrás nos pedidos junto à administradora do FII, a BRL Trust.

 

A primeira solicitação foi em 15 de junho e retirada em 11 de julho.

 

O segundo pedido chegou à administradora pouco depois da retirada do anterior, em 15 de julho, e revogado no dia 22 do mesmo mês.

 

Embora os pedidos de AGE para mudanças significativas nos Fundos Imobiliários tenham se intensificado nos últimos meses - a maioria também sob unanimidade - estes envolvendo o BCRI11, em particular, despertaram uma reação no 'xerife do mercado financeiro', como a CVM é apelidada.

 

O órgão encaminhou ofício à BRL Trust em 19 de julho pedindo explicações sobre o pedido de AGE pelo cotista com 6,69% de participação no BCR11. Mais especificamente, exigiu a divulgação do nome do cotista para garantir a transparência do processo de convocação de uma assembleia.

 

“O órgão deliberativo do fundo de investimento imobiliário possui regime jurídico caracterizado pela publicidade de seus atos e deliberações, o que afasta a incidência do sigilo previsto na Lei Complementar nº 10501 sobre as informações relativas à identidade, à representação e à participação dos cotistas”, destacou a CVM na advertência à BRL Trust.

 

A CVM ainda complementou.

 

“Em outras palavras, a possibilidade de realização de conclaves secretos quanto à identificação e qualidade do voto dos participantes demonstra-se incompatível com a natureza das deliberações que são atribuídas à assembleia geral de cotistas dos fundos de investimento imobiliário”.

 

Com estes argumentos, o regulador exigiu a divulgação do nome do cotista solicitante da AGE, além de esclarecimentos sobre as medidas adotadas para identificar e mitigar conflitos de interesse, e ainda informações sobre eventuais vínculos deste cotista com a BRL Trust ou a Suno.

 

Em resposta ao regulador, a BRL Trust afirmou que incluiria a lista dos nomes dos solicitantes no edital de convocação da assembleia.

 

Sobre o questionamento de diligência em relação aos conflitos de interesses no pedido, a administradora informou que realizou consultas a informações públicas disponíveis na internet e pesquisas independentes em páginas de busca em nome de cada um dos cotistas solicitantes.

 

A administradora afirmou também que utilizou sistemas de compliance e de crédito privado com base no CPF e CNPJ dos investidores, buscou informações junto à Receita Federal, Juntas Comerciais, Tribunais de Justiça, Cartórios de Protesto, Cadastro de Sanções Nacionais e Internacionais, incluindo a verificação de vínculos societários, pessoas relacionadas e vínculos familiares.

 

Na resposta à CVM, a BRL Trust destacou ainda que os cotistas solicitantes da AGE não são partes relacionadas ou pessoas ligadas à Suno ou à administradora, ou a outros fundos administrados pela BRL Trust.

 

O pedido por explicações sobre o processo de AGE do BCRI11 partiu, especificamente, da Procuradoria Federal Especializada da CVM, divisão responsável por representar o órgão regulador judicial e extrajudicialmente, exercer atividades de consultoria e assessoramento jurídico, além de exercer a função de fiscalização interna.

 

Três dias após a CVM encaminhar o pedido por esclarecimentos, o cotista retirou o pedido de AGE no BCRI11. Nenhum documento oficial divulgou o nome deste solicitante ou de quem fez o pedido anterior.

 

Os pedidos de convocação de assembleias feitos por cotistas representativos de fundos são previstos na instrução CVM 472 de 2008.

 

O artigo 19 estabelece a representatividade do cotista elegível aos pedidos de AGE.

 

“A assembleia geral também pode ser convocada diretamente por cotistas que detenham, no mínimo, 5% das cotas emitidas ou pelo representante dos cotistas, observados os requisitos estabelecidos no regulamento do fundo”.

 

E o artigo 25 prevê o percentual de votos para a escolha de representantes do fundo por meio de assembleias.

 

“A eleição dos representantes de cotistas pode ser aprovada pela maioria dos cotistas presentes e que representem, no mínimo, 3% do total de cotas emitidas, quando o fundo tiver mais de 100 cotistas ou 5% do total de cotas emitidas quando o fundo tiver até 100 cotistas”.

 

De acordo com especialistas do mercado de Fundos Imobiliários, a postura da CVM no caso do BCRI11 pode tornar-se uma jurisprudência, que é o conjunto de decisões e interpretações das leis pelos tribunais superiores e que adapta as normas às situações de fato.

 

Se isso ocorrer, as próximas convocações de assembleias gerais extraordinárias podem não ter mais o sigilo em relação ao nome do cotista solicitante.

 

Para o professor de Finanças e sócio do Clube FII, Arthur Vieira de Moraes, a possibilidade de convocação de assembleias é muito importante para a dinâmica do mercado porque é uma ferramenta que permite aos cotistas exercerem de forma democrática uma pressão aos gestores e administradores.

 

"Transparência gera valor e a decisão da CVM preserva essa importante ferramenta dos cotistas, além de conferir mais credibilidade para quem as convoca", conclui.


mais notícias semelhantes
O Clube FII preza pela qualidade do conteúdo e verifica as informações publicadas, ressaltando que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.