Clube FII News News

Notícias para o investidor de fundos imobiliários

Conheça o Clube FII

Conheça o Clube FII

beta
Todo Clube tem sócios! Você também pode se tornar um!
Após rodada de negócios com o Grupo Solum que atraiu investidores-anjo de peso, o Clube FII também abre oportunidade para você participar.
Saiba tudo sobre a oferta, como investir, ser nosso sócio e fazer parte deste enorme potencial de crescimento!

Agora você também pode ser sócio do Clube FII!
Mercado

Banco Central eleva taxa básica para 13,75% ao ano

Comitê de Política Monetária aumenta taxa Selic em 0,50 ponto percentual. Saiba qual o impacto no mercado de Fundos Imobiliários

Por Luciene Miranda
terça-feira, 2 de agosto de 2022 Atualizado 2 semanas atrás

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) decidiu por unanimidade aumentar a taxa básica de juros da economia brasileira em 0,50 ponto percentual, de 13,25% para 13,75% ao ano.

 

Com a medida, a autoridade monetária dá sequência à política de aperto monetário, ou seja, de alta de juros para conter mais o avanço da inflação.

 

Banco Central eleva taxa básica para  13,75% ao ano

 

Em julho, a inflação no país apresentou desaceleração de acordo com os principais indicadores do mercado.

 

O IGP-M, conhecido como a inflação do aluguel porque corrige a maioria dos contratos de locação no Brasil, apontou alta de 0,21% no mês passado, demonstrando um recuo em relação a junho, quando apontou 0,59%.

 

O IPCA-15, considerado a prévia da inflação oficial brasileira, registrou avanço de 0,13% em julho ante 0,69% em junho.

 

A próxima reunião do Copom será nos dias 20 e 21 de setembro. 

 

O economista do Clube FII, Thiago Otuki, lembra que esta alta da Selic já era um consenso de mercado desde a sinalização dada pelo Copom no último encontro de junho.

 

A maioria das instituições e participantes do mercado financeiro aponta que essa reunião de agosto encerrará o ciclo de alta da Selic nesse ano.

 

“Aqueles que projetam mais uma elevação, também apontam que será um alta de menor intensidade. Então, temos o cenário mais provável de uma Selic entre 13,75% e 14% para o fim de 2022”, afirma.

 

Otuki ressalta que a autoridade monetária vai monitorar o comportamento da inflação. Em caso de persistência, é esperado um cenário de nova elevação em 2023, embora seja menos provável.

 

“O fator de interrogação é o das políticas fiscal e monetária que serão adotadas pelo próximo governo, assim como o poder político para a aprovação de reformas importantes”.

 

No segmento de FIIs de tijolo, o economista afirma que vê como principal fator para iniciar um processo de recuperação mais consistente – a exemplo do setor corporativo - uma inflação controlada consolidada nas expectativas dos investidores.

 

“Em conjunto com sinais de retomada do crescimento econômico - mesmo que tímido – a estabilidade dos preços será um gatilho importante para o mercado”, conclui.


mais notícias semelhantes
O Clube FII preza pela qualidade do conteúdo e verifica as informações publicadas, ressaltando que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.