Clube FII News News

Notícias para o investidor de fundos imobiliários

Conheça o Clube FII

Conheça o Clube FII

beta
Todo Clube tem sócios! Você também pode se tornar um!
Após rodada de negócios com o Grupo Solum que atraiu investidores-anjo de peso, o Clube FII também abre oportunidade para você participar.
Saiba tudo sobre a oferta, como investir, ser nosso sócio e fazer parte deste enorme potencial de crescimento!

Agora você também pode ser sócio do Clube FII!
Hospitais

NSLU11 avança na justiça contra Rede D’Or

Juiz do TJSP acatou pedido para que locatária do Fundo Imobiliário Nossa Senhora de Lourdes mostre faturamento desde meados de 2017 que garantiria 8% do valor como pagamento de aluguel

Por Luciene Miranda
sexta-feira, 1 de julho de 2022 Atualizado

O Fundo Imobiliário Hospital Nossa Senhora de Lourdes (NSLU11) informou que o juiz do Tribunal de Justiça de São Paulo acatou o pedido em uma nova petição para que a locatária Rede D’Or mostre o faturamento bruto desde junho de 2017.

 

O pedido de exibição de documentos tem fundamento na cláusula 4.10 do contrato de locação entre o fundo e a Rede D’Or sobre a obrigação da locatária pagar o aluguel mensal fixo ou o aluguel variável, que corresponderia a 8% do faturamento bruto mensal.

 

NSLU11 avança na justiça contra Rede D’Or

 

De acordo como comunicado, o BTG Pactual, administrador do fundo, protocolou também nesta quinta-feira (30) a defesa do fundo em outra ação revisional de aluguel de 2022.

 

Há ainda a ação revisional de aluguel de 2021 em que o fundo não concorda e está recorrendo da decisão judicial e de honorários relativos que totalizam o valor de R$ 600.000,00 que o fundo terá que pagar nos próximos dias.

 

Em meados de junho, o NSLU11 quitou uma dívida judicial com a Rede D’Or de R$ 27.137.596,79.

 

Na tentativa de levantar os recursos, o fundo realizou a 3ª emissão de novas cotas. No entanto, a oferta não captou o montante da dívida judicial.

 

Por isso, o BTG Pactual reteve R$ 1,36 milhão referente à competência de maio do fundo para cobrir possíveis valores de juros, multa e honorários.

 

Aos cotistas anteriores à 3ª emissão, a administradora informou que será pago o valor de R$ 0,49 por cota na distribuição de dividendos referente à competência de maio.

 

Já aos novos cotistas da oferta, haverá o pagamento proporcional dos rendimentos líquidos ‘pro rata’ - proporcional do período - das aplicações do fundo em maio.

 

O BTG Pactual ainda informou que levantou R$ 29,4 milhões para pagar a dívida nominal da ação revisional de aluguel de 2016. O valor é a soma do montante captado na oferta de R$ 21.542.425,58, das retenções de rendimentos até maio que totalizam R$ 5,3 milhões e da reserva de contingência de R$ 2,5 milhões.  

 

O saldo entre os valores apurado e o da dívida de R$ 2,23 milhões, considerando a distribuição divulgada nesta quinta-feira (30), se manterá retido para o pagamento de possíveis perdas nas ações, segundo o administrador.

 

Caso o fundo tenha êxito na ação revisional de aluguel de 2016, poderá distribuir os próximos rendimentos normalmente, afirmou o BTG Pactual no comunicado.

 

No entanto, se o NSLU11 perder, haverá a retenção de forma parcial das distribuições de rendimentos futuras até que se alcance o valor total que o fundo for intimado a pagar.


mais notícias semelhantes
O Clube FII preza pela qualidade do conteúdo e verifica as informações publicadas, ressaltando que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.