Clube FII News News

Notícias para o investidor de fundos imobiliários

    Conheça o Clube FII

    Conheça o Clube FII

    beta
    Entrevistas

    AZIN11, fundo de Infra da AZ Quest, anuncia dividendos extraordinários nas 4 próximas distribuições

    Fundo, com R$ 103 milhões de patrimônio, prioriza os setores de energia, telecomunicações e transportes

    Por ClubeFII
    segunda-feira, 1 de abril de 2024 Atualizado 4 semanas atrás

    A AZ Quest, que gere 97 fundos com atualmente R$ 25 bilhões de patrimônio, tem uma meta ambiciosa: fazer com que esse valor aumente para R$ 50 bilhões em dois anos. “Desse total, R$ 10 bilhões deverão ser de fundos fechados ou alternativos, o restante virá de fundos abertos” afirma Giancarlo Gentiluomo, head de produtos alternativos da AZ Quest.

     

    AZIN11, fundo de Infra da AZ Quest, anuncia dividendos extraordinários nas 4 próximas distribuições
    Equipe da AZ Quest

    A gestora brasileira de recursos independentes, fundada há 23 anos, promoveu grandes mudanças no negócio ao longo do tempo e passa por um dos melhores momentos de sua história.

     

    A AZ Quest nasceu em 2001 pelas mãos do engenheiro e economista Luiz Carlos Mendonça de Barros, e é associada ao grupo italiano Azimut desde 2015. No início a gestora era focada em fundos multimercado e plataforma macro, contudo, o desenvolvimento do negócio tornou a AZ Quest uma gestora de recursos muito completa em termos de prateleira de produtos.

     

    Hoje a empresa tem um portfólio que abrange praticamente todos os produtos do mercado, oferecendo aos investidores também os fundos fechados (alternativos) nos setores de agro, infraestrutura e imobiliário, além dos tradicionais fundos abertos, os quais contemplam as estratégias de ações, macro, crédito privado, arbitragem e sistemáticos.

     

    “No último ano começamos a desenvolver a franquia dos fundos alternativos. Montamos três verticais, de infraestrutura, agronegócio e a de imobiliário”, detalha Gentiluomo. De acordo com o especialista, os fundos de infraestrutura (FIP-IE) têm recebido mais atenção dos investidores.

     

    Com o aquecimento recente das ofertas dos fundos de infraestrutura listados, a “bola da vez” é o AZ Quest Infra-Yield II FIP-IE (AZIN11), com R$ 103 milhões de patrimônio e quase 1,1 mil cotistas. Ele é gerido pelo AZ Quest e administrado pelo Banco Daycoval.

     

    Os ativos investidos pelo fundo, voltado a investidores qualificados, são do setor de energia, telecomunicações e transportes. O AZIN11 tem seis meses de existência e vem entregando bom retorno ao investidor, distribuindo dividendos extraordinários aos cotistas. O desempenho da carteira é de CDI mais 6,49%.

     

    O FIP-IE da AZ Quest vai pagar R$ 1,45 por cota pelos próximos quatro meses, o que representa um dividend yield anualizado de 18,86%, bem acima da Selic atual. O fundo atingiu 68% da locação da carteira.

     

    Em fevereiro, o fundo pagou R$ 1,25 por cota. Considerando o fechamento do mês (R$ 99,98), o valor corresponde a um dividend yield mensal de 1,45%.

     

    Giancarlo Gentiluomo, que está há quase um ano na AZ Quest, lembra quando lhe foram apresentados os planos com o AZIN11. O executivo afirma que já havia tentado criar um fundo de infraestrutura que fosse atrativo para o investidor de varejo. “Mas o ativo ou acabava mal precificado ou concorria com as debêntures incentivadas”, recorda.

     

    Contudo, Samuel Santos, gestor responsável pela estratégia de infraestrutura na AZ Quest, trouxe uma proposta atenderia os requisitos de rentabilidade, diversificação de carteira e recorrência na distribuição de forma isenta.  “Trata-se de um combinado de fatores. A estrutura de uma FIP-IE, as experiências dos gestores e mergulhar no projeto”, afirma ele.

     

    O resultado é o AZIN11, que oferece ótima liquidez e dividendos atrativos.


    mais notícias semelhantes
    O Clube FII preza pela qualidade do conteúdo e verifica as informações publicadas, ressaltando que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.